Quarta-feira, 28 de Novembro de 2007

Vida a preto e branco

Olho os dias como esferas sem lugar
sucedendo-se numa cadência irregular
onde sinto dificuldade em me aperceber
se se trata de algo que sobe
ou de algo que desce
de tão imperceptível

Olho o interior deste casco antigo
vejo nele ainda crianças que brincam
com sorrisos expontâneos e inocências
vejo também as luzes acesas esquecidas
sem saber se são estrelas ou lâmpadas
se serão fugazes ou eternas
repetições

Olho o ventre quente da mulher que amo
tão cheio de sonhos e esperanças
nele voltarei a nascer
e a conhecer o mundo

Olho com olhos de predador e de presa
sendo homem e animal
imortalizado nas palavras e nos desejos

Colho neste olhar a vida
que quero agarrar
nas minhas mãos escorregadias de sémens e sementes

Manuel Neves

Índice:
publicado por A flor da pele às 21:31
link do post | comentar | favorito

"Aquele que possui o teu tempo, possui a tua mente.
Muda o teu tempo e mudarás a tua mente.
Muda a tua mente e mudarás o mundo."

(José Argüelles)

translações

Amanhecer (te)

Recauchutado

AMAduraR

Amor e carne...

Poeta sem classe

Isto!

Amar sem tempo...

Sem ti

Amar (te)

A folha branca

memorandum

Índice

poesia

todas as tags



blogs SAPO

subscrever feeds