Quarta-feira, 12 de Dezembro de 2007

Amanhecer (te)

Um ténue amanhecer
ia desfazendo e tenebrosa escuridão

As linhas acendiam-se aos poucos
e os movimentos ganhavam vida

Nossos corpos atraiam-se

Nessa sede de anos e vidas
meu lábios deslizaram na profundeza de teu corpo
minha língua te lambia
minha boca te sorvia

Parámos o tempo e o espaço

Cruzamos pernas e braços
esmagamos nossos peitos e corações

Agarramos cada pedaço de carne
trocamos narizes e odores
bebemos salibas
respiramos o mesmo ar
comemo-nos
mastigamo-nos
digerimo-nos

Percebemos que somos orgia
fermento fervente sem cessar
desejo insaciado
vontade de viver
e de matar

Percebi que já não vivo sem ti...


Manuel Neves
Índice:
publicado por A flor da pele às 21:50
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Azoriana a 26 de Março de 2008 às 20:58
Uma cordial saudação!

Então, para quando mais uns artigos? O tempo urge para não ficar no ano transacto.

Abraço
De NancyLix a 14 de Dezembro de 2008 às 10:48

Comentar post

"Aquele que possui o teu tempo, possui a tua mente.
Muda o teu tempo e mudarás a tua mente.
Muda a tua mente e mudarás o mundo."

(José Argüelles)

translações

Amanhecer (te)

Recauchutado

AMAduraR

Amor e carne...

Poeta sem classe

Isto!

Amar sem tempo...

Sem ti

Amar (te)

A folha branca

memorandum

Índice

poesia

todas as tags



blogs SAPO

subscrever feeds