Terça-feira, 30 de Outubro de 2007

Por tudo isto...

Vivi em vários países...
tive várias profissões...
Vivi paixões, amores e loucuras...
fui pai e fui marido, fui filho e fui orfão...
andei por seminários e bordéis...

Vivi os dois lados da vida
fui fiel, fui traído e fui bandido
e fui herói desconhecido

Dei a minha cara pelos jornais... fui notícia...
e fui mendigo por uns dias...
comi lixo pelas ruas...
e colei fotos de mulheres nuas na caserna

Fui criança e vi amanhecer cedo o novo dia...
onde as cores da vida tinham a cor dos meus olhos escuros
Tenho a cor do mundo redondo de dor e prazer...
enrolado na lua das paixões... no meu sangue efervescente

Dentro de mim corre o amor mais puro pelos canais da minha consciência doente...
Vivo a morte e vivo a vida no meu sorriso quente... nas minhas lágrimas geladas...

Por isso estou vivo... e por isso amo as coisas simples
Por isso sofro quando vejo as marcas desta minha vida tempestuosa...
e me vergo ao peso dos meus erros

É por isso que ainda grito minha alma em desespero
E me perco no corpo da mulher que amo
Onde morro... e desperto de novo para vida.

Manuel Neves

Índice:
publicado por A flor da pele às 22:58
link do post | comentar | favorito
|

"Aquele que possui o teu tempo, possui a tua mente.
Muda o teu tempo e mudarás a tua mente.
Muda a tua mente e mudarás o mundo."

(José Argüelles)

translações

Amanhecer (te)

Recauchutado

AMAduraR

Amor e carne...

Poeta sem classe

Isto!

Amar sem tempo...

Sem ti

Amar (te)

A folha branca

memorandum

Índice

poesia

todas as tags



blogs SAPO

subscrever feeds